Miasma

miasma

Tento estabelecer uma relação de proporção entre o dolorido desconforto com a falta de sentido que me envolve em determinadas circunstâncias da vida, e a dor coletiva, vasta, arrasadora, dilacerante da alma do mundo que acomete as vítimas de um genocídio, por exemplo, quando a falta de sentido atinge o zênite e o mundo inteiro se desconjunta. Não tem termo de comparação, claro. Mesmo assim, o miasma da falta de sentido que empesteia o cotidiano miúdo  não se deixa encobrir por fedores mais concretos como, por exemplo, o do rio Pinheiros em dias de grande calor. Os gregos falavam em miasma quando um membro da polis cometia um crime e permanecia impune, contaminando assim, com seu ato desprezível, toda a comunidade que não havia se engajado na reparação. Aquele algo de podre a que Hamlet se referiu, o miasma era, contudo, apenas o efeito de uma causa que clamava para ser exposta à luz da consciência coletiva. Como efeito, ele se manifestava sobre a comunidade na forma de peste, fome, guerra, loucura, entre outras mensagens politicamente incorretas enviadas pelos deuses que, desgostosos com o absurdo da situação, clamavam por justiça dos homens aos homens. Pensando em termos de miasma, dá para entender a pressa e a eficácia da Alemanha em levar a julgamento e condenar rapidamente os carrascos nazistas em Nuremberg. Dá para entender também o pântano no qual a democracia brasileira, e a latino-americana, com poucas exceções, continua a chafurdar (nosso miasma remonta à colonização), um brejo onde a vaca atolou aparentemente sem remédio e que se manifesta de muitas formas, sem iniciativa de reparação possível fora das manobras eleitoreiras habituais, todas, no fundo, em proveito dos que ocupam o poder. Ou talvez o miasma seja mesmo um subproduto daquela porção incorrigível de nossa sombra individual e coletiva, perpetuamente ocupada em produzir o mal puro e simples, o mal banal, como o chamou Hannah Arendt, já que me lembrei de Nuremberg. Nossa porção que milênios de cristianismo ajudaram apenas a escamotear, mas não a confrontar no tribunal de nossa boa consciência, obnubilada pelas ideologias políticas e religiosas. Nosso gêmeo encruado, o monstrinho que vegeta nos desvãos de nossa natureza e que é diabólico apenas porque se dedica a nos manter rachados ao meio, contra todas as oportunidades de integração que a vida oferece. Ultimamente estamos às voltas com a polarização oposta, tão perversa quanto: a banalidade do bem, em que bandidos e assassinos nadam de braçada num mar de direitos do qual suas vítimas estão impedidas de se aproximar. Claro que lidar com a imagem do miasma pressupõe uma capacidade óbvia de imaginar, coisa que pouquíssima gente sabe fazer hoje em dia, à pouco honrosa exceção dos delirantes patológicos e usuários de drogas alucinógenas. O miasma baixa quando o sentido se ausenta e nada é feito para recuperá-lo. Daí esse desconforto de que eu falava lá em cima. Estou, no momento, tentando reparar as causas de um miasma, ainda que apenas subjetivamente e por escrito. Um miasma de família. Estou, no momento, sob o efeito de um miasma que não posso dissipar porque não estou implicada em suas causas. Fui envolvida por ele inadvertidamente, como acontece quando desempenhamos o papel do inocente capturado no vórtice da loucura alheia, em que o alien é um outro que acreditávamos conhecer e amar. A banalidade do bem ataca quando abrimos nosso coração para a pessoa errada, certos de que nossa generosidade só pode gerar mais generosidade em troca. Ledo engano. Pior é perceber que caímos na armadilha de nosso próprio bom-mocismo, como se Poliana tivesse se aliado a mr. Hyde para armar essa tocaia. O complô do inconsciente, como diria o Rafael Lopez-Pedraza. Quando a loucura está no poder, o amor cumpre pena.

Anúncios

5 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Lucila Machado
    maio 09, 2013 @ 13:45:06

    Obrigada Eliana pela lucidez. E claro que me junto a voce (mesmo que sem acentos) para ajudar a dissipar o miasma. Que tenhamos sorte e boa companhia! Bj.

    Resposta

  2. Ana Cris
    maio 09, 2013 @ 20:25:02

    Muito adequado para o momento, seja ele do mundo, do país, da cidade ou da família…
    Do macro ao micro, cai como uma luva…
    Bx
    Kix

    Resposta

  3. Cristiane Marino
    maio 09, 2013 @ 23:14:11

    Oi Eli,

    Adorei o texto, bem afiado e lúcido. Mas não pude evitar de ficar imaginando o que teria te acontecido para estar com esse miasma.
    Espero sinceramente que esse efeito se dissipe logo e que sua luz e seu encanto voltem a brilhar para nós.
    Bjs

    Resposta

  4. Cristiane
    maio 12, 2013 @ 13:52:01

    Eli querida, você não imagina a alegria que senti ao ver um comentário seu lá no blog e ainda mais tão carinhoso!
    Foi um lindo presente de dia das mães. Obrigada!
    Bjs

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: