Conduzindo Preciosa

Chá no paraíso, colagem do meu caderno

Chá no paraíso, colagem do meu caderno

Não importa o mundo lá fora. Caos, gente louca se deslocando em carros semi-desgovernados, motoqueiros destrambelhados, carretas que cruzam o farol vermelho. No meu carro, não sou invadida por boletins econômicos obsessivo-compulsivos ou reportagens policiais escatológicas. Tampouco sou irritada até a fúria por publicidade  cretina. Ou interrompida pela hugochavista Hora do Brasil. Não testemunho, perplexa, um trilha sonora em que Caetano é substituído por Michel Teló. Tampouco sou torturada pelos pianinhos dodecafônicos de algum programador cult. Nunca mais, nunca mais, never more, como dizia o Corvo. Essa alforria dos ouvidos eu comprei, usada, por 3 dólares mais frete, com meu primeiro audio-livro da Agência N0 1 de Mulheres Detetives. Já tenho oito caixas, todas arrematadas na bacia das almas da Amazon. Ouço, empresto, me esqueço das histórias e torno a escutá-las, como se fossem novinhas em folha. Já arrebanhei muitos fregueses para a agência e continuo, eu mesma, cliente fiel dessa empresa que, graças a Deus, não é citada nas colunas corporativas fofas, cujas platitudes e bom mocismo posado me dão vontade de vomitar sobre o volante. Com sede em Gaborone, capital de Botswana, a Agência N0 1 de Mulheres Detetives não tem filiais. Minto. Tem sim. Inúmeras. Uma delas está localizada no CD player do meu carro. Outra, eu soube por um documentário que vi na GNT sobre vítimas do 11 de setembro, fica no DVD player de uma senhora japonesa que sofreu severas queimaduras durante o ataque e teve de passar por inúmeras cirurgias nos braços derretidos. No depoimento, ela contava que tinha dias em que perdia completamente a esperança de voltar a ter braços e caia em depressão mais do que justificada. Então assistia aos filmes da única temporada da série, produzida pela HBO, dirigida pelo Anthony Minghela e baseada nos livros do escritor Alexander Mc Call Smith, um amigo querido que nunca vi mais gordo.

Cartaz da série para TV. produzida pela HBO

Cartaz da série para TV. produzida pela HBO

As histórias de Mma (pronome de tratamento tradicional, que significa senhora) Preciosa Ramotswe  tinham o poder de levantar o astral da senhora japonesa de braços derretidos. Nada mal. O Alex (sentiram a intimidade?), criador desse mundo deliciosamente ingênuo, mas nada tolo, muito cioso de seus valores tradicionais, tão engraçado quanto profundo na sua reflexão sobre as coisas da vida, é um senhorzinho de seus setenta e tantos anos, nascido no Zimbabwe, gordinho, olhos azuis, sorriso fácil e gravata borboleta. Médico, ele vive na Escócia, porém ama a África de todo coração e a mostra através do filtro desse amor, o que desorganiza nossos clichês sobre o berço da humanidade, onde vivem os espíritos de nossos mais antigos avós. Botswana é o país que ele escolheu como cenário para as histórias da agência. Além dessa série, ele escreveu outras, em que mistura filosofia, linguística e investigações policiais nada convencionais. Eu até li dois livros de uma detetive-filósofa que ele inventou, mas sou tiete mesmo de Mma Ramotswe e sua turma: a pentelha secretária Mma Makutsi, com seus 97% de aproveitamento na Escola de Secretárias de Botswana; o bovino marido mecânico, sr. J.L.B. Matekoni (que é sempre chamado pelo nome completo, inclusive as iniciais); os garotos aprendizes da oficina, incorrigíveis e adoráveis malandros; os filhos adotivos, um casal de irmãos bosquímanos, a menina deficiente física e doida por motores (ela se chama Motoleli); a enxerida Mma Potokwani, matrona que dirige a fazenda dos órfãos… E mais a trupe de clientes da agência, com seus micro-problemas para resolver, e que contratam essa senhora sábia, afável, conciliadora, com sua compleição tradicional (uma “traditionally built lady” é, em suma, uma gorda, tipo físico muito apreciado em Botswana). Nos audio-livros, a narração é feita por uma atriz sul-africana simplesmente fabulosa, Lisette Lekat, que não apenas lê as histórias, mas as dramatiza, fazendo vozes, sotaques, viajando na melopeia. Com Lisette na narração, as personagens de Alex ganham ainda mais vida e humanidade, o que torna a leitura dos livros especialmente deliciosa. Sem pretensões nem culteranismos, ele fala de relações humanas delicadas, tecidas num mundo ainda meio encantado, parecido com o de Mia Couto: empoeirado e belo, apaixonado por seu gado manso e regido por valores que garantem que a comunidade continue a ser o lugar onde sabemos quem somos e para onde podemos retornar, quando é preciso. Mma Ramotswe é uma dessas personagens portadoras de que fala o Dennis: mais do que a detetive gorda e bonachã, às voltas com seus casos aparentemente irrelevantes, dotada de uma imensa capacidade de empatia e acolhimento, é uma imagem do feminino que resolve. Docemente. Sem dar porrada, fazer ameaças, berrar, dar carteirada, humilhar. Simplesmente chega e resolve. Muitas vezes, só na conversa, frequentemente regada com bules de chá de rooibos, que também é o meu favorito. Com seu red bush tea e sua conversinha macia, Mma Ramotswe umedece e suaviza as encrencas mais cascudas de sua engraçadíssima clientela. E há ainda esses pronomes de tratamento adoráveis: Mma, para as mulheres, e Rra, para os homens, que de vez em quando usamos aqui em casa. Antes do ano terminar, eu precisava falar dela, minha amiga que me faz companhia no trânsito e torna agradáveis os meus outrora estressantes deslocamentos pelos labirintos engarrafados de Sampa. E, de quebra, ainda me ajuda a apurar os ouvidos para a língua inglesa. Posso não entender nada do que dizem os escoceses, mas lá em Botswana, eu entendo tudo. Lá sou amiga da rainha.

P.S. – A Companhia das Letras tem alguns livros de Mc Call Smith publicados, a maioria da Agência No 1 de Detetives Mulheres. Com traduções muito bem feitas, vale a pena começar pelo livro homônimo, e daí pegar “As lágrimas da girafa” ou “Moralidade para garotas bonitas”, ambos ótimos.

Anúncios

5 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Fabiana
    dez 06, 2012 @ 20:07:03

    Bravo!!!
    Mais que merecida homenagem a Preciosa Ramotswe que, graças a você, vive passeando no meu carro-vagão de circo! Instruções de bem viver, fico impressionada como tudo cabe perfeitamente ali. Vida que pulsa em todos os seus tons, muito além do cinza…
    Muito obrigada, Eli!!
    Beijos,
    Fabi

    Responder

  2. Glaucia
    dez 08, 2012 @ 20:04:37

    Curti saber sobre seu novo amigo Alex! Ando com minha curiosidade aguçada sobre África, depois de ver Mia Couto no Roda Viva, ver meu filhote Robert se dedicando a um hospital na Etiópia em julho passado, ouvir o Silas contando sobre Sudão onde esteve durante duas semanas no mês passado e ter almoçado com dois Quenianos no último domingo. Como sou ignorante sobre África, e que continente maravilhoso. Eva, do Quênia, contou lindas histórias de festas, seja formatura, seja casamento, coisas do tipo, todo mundo vai para a festa, os amigos contribuem antes para que a festa aconteça, depois levam presentes, alegria coletiva. Tanta manifestação de generosidade! Algo que faço conexão com Mma Ramostwe, com sua empatia e acolhimento.

    Responder

  3. maria de lourdes peres heredia
    dez 10, 2012 @ 16:16:39

    Que coisa mais gostosa você escrever sobre ELA, porque ela é ELA, com letras maiúsculas mesmo! Obrigada por ter-me apresentado ao autor e aos personagens, Eli. Aquela caixa que você me emprestou me deixou embasbacada! E já peguei uns três episódios da série, de quebra. Que frescor e originalidade numa TV feita de clichês!

    Responder

  4. Cristiane
    dez 14, 2012 @ 21:53:41

    Eli, adorei as suas colagens.
    Delicadas e muito criativas!
    Bjs

    Responder

  5. rubens osorio
    jan 16, 2013 @ 20:03:51

    Pô! Mais um pra minha infindável e impossível lista de livros “must read”… Tomara que eu viva o suficiente pra ler pelo menos um da Preciosa.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: